​​Imagem Brasil Galeria abre exposição A Casa do Ser, de Ana Póvoas
ana-povoas

Nascida no Rio de Janeiro e residente em Pirenópolis (GO), Ana Póvoas morou em Fortaleza nos anos de 1984 a 1996 onde formou-se em Comunicação Social na UFC.

 

Em uma casa simples do povoado de Furnas, na histórica cidade de Pirenópolis, em Goiás, mora uma mulher, Alina, a Dona Nica. Na fachada, duas janelas e uma porta no meio. No interior, o retrato da memória afetiva que poderia ser do morador de qualquer pequeno sítio do país, de qualquer tempo. O corredor da casa dá passagem para o quintal com um grande bananal. Foi com a finalidade de comprar bananas nanicas para sua produção de frutas desidratadas que a fotógrafa Ana Póvoas conheceu Dona Nica e seu universo.

 “A casa era de chão batido, panelas areadas ao redor do fogão de lenha, bancos de madeira; e talheres arrumados em série, sobre uma parede caiada de tempo. Telhas de barro à mostra. (…) Era um lugar simples, onde Nica morava com sua mãe, Dona Francisca”, diz a fotógrafa no livro A Casa do Ser, título da exposição que abre no dia 21 de julho, às 10h, na Imagem Brasil Galeria, em Fortaleza. “Não sabia por que, mas queria ter aquelas imagens pra mim, levar cada detalhe comigo”, conta a autora. E lembra da escritora e crítica de arte Susan Sontag: “fotografar é apropriar-se da coisa fotografada”.

Nascida no Rio de Janeiro, Ana Póvoas morou em Fortaleza no período de 1984 a 1996, onde formou-se em Comunicação Social pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Na época, já andava com uma câmera a tiracolo, colecionando seus afetos em imagens.

Sobre sua relação com Dona Nica, Ana conta no livro: “Iniciamos um trabalho juntas: eu comprava bananas para abastecer um negócio familiar de frutas secas; e, portanto, durante alguns anos, constantemente eu estava por lá. Dona Nica apontava com o facão, identificava o cacho que estava bom para ser colhido, cortava o caule da planta, e na sequência, eu carregava os cachos morro acima, durante a tarde toda (…) Diversas vezes, após o trabalho, ela me convidou a entrar na casa para um café. Com o tempo, percebi que aquela construção não era somente um lugar físico pra mim, mas simbólico. Uma casa onde há um silêncio no lugar das coisas. Silêncio dos objetos que envelhecem sem serem trocados com o tempo. Silêncio com cor de jardim, canto de passarinho, vento na folhagem, som de água que não para de jorrar, cheiro de jabuticaba”.

A cada nova visita à Dona Nica, Ana Póvoas colhia bem mais do que bananas nanicas. “Nesse contexto quase mágico, resolvi levar minha câmera, logo nos primeiros encontros. E comecei a fotografar a casa. Sem intenção, sem método, sem projeto. Apenas por ser uma fotógrafa ávida. Foi então que passei a colher bananas e imagens”, conta. “Era claro que Dona Nica não entendia o meu interesse em fotografar o seu lugar, juntamente com ela e seus objetos. Nem eu mesma entendia. Porém, a fotografia se estabeleceu definitivamente como um diálogo. E intensificou uma percepção poética, afetiva e simbólica daquela experiência”.

Ao rever os arquivos, capturados no período de 2007 a 2013, a fotógrafa identificou a possibilidade de desenvolver algo maior, o que resultou na edição do livro A Casa do Ser, lançado em 19 de agosto de 2017 no PIRI DOC, Festival de Cinema Documental de Pirenópolis. No mês seguinte foi em Goiânia, no Goyazes – Festival de Fotografia de Goiás e, mais recentemente, em março de 2018, no Festival de Fotografia de Tiradentes, um dos mais importantes eventos do gênero no país.

A Casa do Ser trata disso: de como se faz um retrato. E um retrato será, para sempre, um veredicto. Um livro aberto. (…) Ou o extrato de um longo silêncio. Em qualquer lugar do mundo esse ‘outro’ será sempre ele mesmo. Quem deverá se modificar é o fotógrafo. É isso que acontece aqui, página por página. Há um jogo duplo, um segredo tênue que pertence a essas duas mulheres; e que nunca mais será do mesmo jeito, porque, na manhã seguinte, a casa não será a mesma”, relata, na apresentação do livro, Diógenes Moura, escritor e um dos mais conceituados curadores de fotografia do país que, durante 15 anos (1998 a 2013), foi curador de fotografia da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Para A Casa do Ser, de aproximadamente 130 imagens apresentadas por Ana Póvoas, escolheu 45, cuidadosamente organizadas para compor a obra.

SERVIÇO

Exposição e apresentação do livro A CASA DO SER, de Ana Póvoas – Abertura: Dia 21 de julho, às 10h, na Imagem Brasil Galeria (Rua Rocha Lima, 1707, Aldeota – Fortaleza/CE). A exposição permanece no local até o dia 2 de setembro. Visitação: De segunda a sexta-feira, das 9h às 19h. Informações:  (85) 3261-0525.

Última semana de inscrições para a mostra “Cada Gota Conta”
cada-gota-conta_1

A oportunidade de qualquer pessoa ter seu curta-metragem exibido em um dos maiores festivais de cinema do Brasil está na mostra Cada Gota Conta, com inscrições prorrogadas até a próxima quarta-feira, 25 de julho. Realizada em parceria com a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos – COGERH, do Governo do Estado do Ceará, a mostra é parte da programação do 28º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema, que acontece de 4 a 11 de agosto em Fortaleza.

Totalmente voltada para filmes captados em aparelhos celulares, a mostra tem como tema “Preservação dos recursos hídricos: cada gota conta”. Tem apenas uma categoria que abrange todos os gêneros, podendo ser ficção, documentário, reportagem ou animação. Com duração de 1 a 3 minutos, contando com os créditos, as obras devem ser inéditas e de classificação etária livre. O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no www.cineceara.com. A inscrição é gratuita e aberta a realizadores cearense ou residentes no Ceará há mais de dois anos, que podem inscrever trabalhos individualmente ou em equipe.

A curadoria da mostra selecionará cinco trabalhos, que serão exibidos do segundo ao penúltimo dia do 28º Cine Ceará, que acontecerá de 04 a 10 de agosto. O melhor curta-metragem eleito pelo júri será reexibido na Cerimônia de Encerramento do festival e receberá um prêmio no valor de R$ 3 mil. A comissão julgadora será formada por estudantes de cursos de cinema de Fortaleza.

O 28º Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará (UFC), através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura (Lei Estadual Nº 13.811), do Ministério da Cultura, via Secretaria do Audiovisual, da Agência Nacional do Cinema (Ancine), do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secultfor. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e Bucanero Filmes. Patrocínio: M. Dias Branco, Banco do Nordeste e Café Santa Clara. Agradecimento a Enel.

SERVIÇO

Mostra “Cada Gota Conta” – Inscrições prorrogadas até o dia 25 de julho para a mostra de curtas-metragens produzidos por aparelho celular, que integra a programação do 28° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema. Podem participarrealizadores cearense ou residentes no Ceará há mais de dois anos. Regulamento e ficha de inscrição disponíveis no www.cineceara.com. Informações: contatos@cineceara.com e (85)3055-3465.

28º CINE CEARÁ TERÁ DOIS CURSOS AVANÇADOS PARA PRODUTORES AUDIOVISUAIS
36990695_10214360613143174_8631374858833362944_n

O 28º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema, que acontecerá de 04 a 11 de agosto em Fortaleza, terá em sua programação dois cursos avançados para produtores audiovisuais, “Planejamento de Produção para séries de TV – exemplo ficção” e “Formatação e Prestação de Contas / Projetos Incentivados / Leis Federais de Incentivo à Cultura”. Ambos com 12 horas/aula, os cursos serão ministrados nos dias 08 e 09 de agosto no Hotel Oásis Atlântico Fortaleza. O local também é a base da organização do Festival durante todo o evento. Inscrições por meio do site do festival: www.cineceara.com.

O primeiro curso, destinado a Produtores audiovisuais (coordenadores, diretores de produção, produtores executivos etc.) com experiência ou conhecimentos básicos na área, visa apresentar de forma prática um “pensamento de produção” para séries de TV, ou seja, como preparar seu orçamento e cronograma de execução, a partir de um roteiro ou projeto. Será ministrado por Mariana Brasil, produtora executiva com mais de 24 anos de mercado. Mariana começou sua carreira na O2 Filmes e atua há mais de 14 anos com produção de séries para TV, tendo produzido mais de 30 séries para GNT, Canal Futura, Multishow e TV Cultura.

O curso de Formatação e Prestação de Contas é voltado para produtores e demais interessados em ingressar no campo da produção e gestão de projetos culturais através das leis de incentivo. Será ministrado por Antônio Leal, que atua há 25 anos no mercado audiovisual e no campo geral da produção cultural, coordenando, produzindo, assessorando e prestando consultoria a inúmeros projetos, com atuação destacada no segmento de mostras e festivais. É presidente do Fórum Nacional dos Organizadores de Festivais Audiovisuais Brasileiros.

A realização dos cursos é do Ministério da Cultura (MinC), através da Secretaria do Audiovisual (SAv), com patrocínio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) numa ação de fomento à realização de festivais, mostras, premiações, eventos de mercado e ações de promoção e difusão da produção audiovisual nacional, em acordo de cooperação com a Agência Nacional do Cinema (ANCINE). Ambos são pagos, com três opções de valores diferenciados, conforme o interesse ou não de hospedagem por parte do inscrito: Inscrição para o curso incluindo hospedagem em apartamento duplo; inscrição com hospedagem em apartamento single; apenas a inscrição para o curso, sem hospedagem.

O 28º Cine Ceará acontecerá de 04 a 11 de agosto, numa promoção da Universidade Federal do Ceará (UFC), através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Cineteatro São Luiz e do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura (Lei Estadual Nº 13.811), do Ministério da Cultura, via Secretaria do Audiovisual, da Agência Nacional do Cinema (Ancine), do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secultfor. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e Bucanero Filmes. Patrocínio: M. Dias Branco, Banco do Nordeste e Café Santa Clara. Agradecimento a Enel.

PROGRAMA DOS CURSOS AVANÇADOS

  • CURSO 1: Planejamento de Produção para séries de TV – exemplo ficção

Desenho de produção: Como iniciar o planejamento de produção a partir de um projeto, qual o escopo necessário e como será o desenho da sua produção. Diferenças entre produzir para TV e cinema;

Cronograma: Vamos apresentar como a partir da definição do escopo e do desenho da sua produção como preparamos seu cronograma;

Orçamento: Vamos apresentar como a partir do cronograma preparamos seu orçamento;

Produção geral: Vamos avaliar o projeto como um todo, considerações gerais e custo final x valores de mercado.

  • CURSO 2: Formatação e Prestação de Contas/Projetos Incentivados/Leis Federais de Incentivo à Cultura

Panorama da atividade cultural no Brasil;

A cultura como indicador econômico e de geração de emprego;

Passo-a-passo para a formatação de projetos;

Encaminhamento ao ministério da cultura/Ancine;

Relação como os órgãos competentes;

Benefícios fiscais em vigor/mecanismos;

Gestão do projeto;

Relatórios/prestação de contas.

SERVIÇO

28º Cine Ceará – Cursos Avançados: “Planejamento de Produção para séries de TV – exemplo ficção” – dias 08 e 09 de agosto de 2018, das 10h às 13h e das 14h às 17h30. 30 vagas. “Formatação e Prestação de Contas/Projetos Incentivados/Leis Federais de Incentivo À Cultura”  Dias 08 e 09 de agosto de 2018, das 9h às 12h e das 14h às 17h. 20 vagas. Carga horária de cada curso: 12h/aula. Local: Hotel Oasis Atlântico Fortaleza, Salão Brasil. Inscrições e informações: www.cineceara.com. (85) 3055 3465. E-mail: cursos@cineceara.com.

VALORES

CURSO 1: Planejamento de Produção para séries de TV – exemplo ficção

Opção 1: Hospedagem em apto DUPLO (divisão de quarto com outro participante do Festival). Curso + 3 dias de hospedagem no Oasis Hotel em quarto duplo + Café da manhã, almoço e jantar + Transfer Hotel/Cine São Luiz. Valor: R$ 1.000,00 (mil reais). Check in: 07/08/2018, a partir das 14h.  Check out: 10 de agosto de 2018, até às 12h. Não inclui transfer do aeroporto/hotel/aeroporto, nem despesas com produtos do frigobar, ligações telefônicas e bebidas alcoólicas.

Opção 2: Hospedagem em apto SINGLE. Curso + 3 dias de hospedagem no Oasis Hotel em quarto sigle + Café da manhã, almoço e jantar + Transfer Hotel/Cine São Luiz. Valor: R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais). Check in: 07/08/2018, a partir das 14h.  Check out: 10 de agosto de 2018, até às 12h. Não inclui transfer do aeroporto/hotel/aeroporto, nem despesas com produtos do frigobar, ligações telefônicas e bebidas alcoólicas.

Opção 3Apenas o curso. Valor: R$ 500,00 (quinhentos reais).

CURSO 2: Formatação e Prestação de Contas/Projetos Incentivados/Leis Federais de Incentivo à Cultura.

Opção 1: Hospedagem em apto DUPLO (divisão de quarto com outro participante do Festival). Curso + 3 dias de hospedagem Oasis Hotel em quarto duplo + Café da manhã, almoço e jantar + Transfer Hotel/Cine São Luiz. Valor: R$ 900,00 (novecentos reais). Check in: 07/08/2018, a partir das 14h.  Check out: 10 de agosto de 2018, até às 12h. Não inclui transfer do aeroporto/hotel/aeroporto, nem despesas com produtos do frigobar, ligações telefônicas e bebidas alcoólicas.

Opção 2: Hospedagem em apto SINGLE. Curso + 3 dias de hospedagem Oasis Hotel em quarto single + Café da manhã, almoço e jantar + Transfer Hotel/Cine São Luiz: R$ 1.400,00 (mil e quatrocentos reais). Check in: 07/08/2018, a partir das 14h. Check out: 10 de agosto de 2018, até às 12h. Não inclui transfer do aeroporto/hotel/aeroporto, nem despesas com produtos do frigobar, ligações telefônicas e bebidas alcoólicas.

Opção 3Apenas o curso. Valor: R$ 400,00 (quatrocentos reais).

28º CINE CEARÁ divulga Mostra de Cinema PERUANO
Madeinusa
2006
Real : Claudia Llosa
Magaly Solier
Carlos De La Torre
COLLECTION CHRISTOPHEL

“Madeinusa” (2005), da diretora Claudia Llosa, Melhor Filme no Festival de Mar del Plata.

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 31 de julho a 5 de agosto, a Mostra de Cinema Peruano, que traz um panorama da cinematografia do país, com exibições de longas-metragens de alguns dos mais representativos nomes da contemporaneidade. A mostra integra o 28º Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema, que a cada edição realiza uma mostra especial, como homenagem a um país da ibero-américa.

A Mostra é dedicada ao cinema peruano contemporâneo, que tem se destacado em festivais internacionais, revelando novos nomes, além de obras consolidadas nos melhores festivais do mundo. “Um dos objetivos da Mostra é conseguir elaborar, através dos filmes escolhidos, um retrato do país homenageado. São filmes que apresentam um claro discurso local, com base nas tradições, nas singularidades espaciais e naturais do país, nas grandes diferencias entre a sua imponente natureza e as caóticas cidades peruanas”, diz Pablo Arellano, curador da Mostra.

Na opinião de Pablo, de uns anos para cá o Peru tem contribuído muito na cinematografia ibero-americana, com diretores e filmes surpreendentes, únicos e com enorme potencial. “O país possui um cinema em crescimento e o Cine Ceará quer ser porta-voz disso”, diz. Segundo o curador, o cinema do Peru nunca esteve entre os mais difundidos da ibero-américa e, ao destacá-lo, o Festival reforça sua função de apresentar diferentes cinematografias. Com isso, dá oportunidade ao público de conhecer outros diretores e ter acesso a grandes filmes ainda desconhecidos dos brasileiros.

Ao longo de seis dias, a Mostra fará uma imersão no cinema do Peru exibindo 16 longas-metragens “Todos eles são destaques do cinema contemporâneo do país dentro do panorama internacional”, frisa Pablo Arellano. “Eles representam o cinema peruano do presente e do futuro. Em sua maioria são jovens cineastas que estão revolucionando a linguagem audiovisual do Peru, com propostas arriscadas, pessoais, com olhares únicos e poéticos”, destaca.

Cineastas peruanos

A Mostra destaca três mulheres que, em diferentes estilos estão depurando uma linguagem própria a cada novo filme. Na ficção está Claudia Llosa, com trabalhos reconhecidos internacionalmente no cinema experimental. Da diretora será exibido “Madeinusa” (2005), que entre os prêmios recebidos está o de Melhor Filme no Festival de Mar del Plata. Da cineasta Enrica Pérez a Mostra exibe “Climas” (2014), que apresenta o retrato de três mulheres peruanas que vivem realidades distintas, uma na selva, outra na serra e a terceira na cidade. Por último, o público poderá conferir o trabalho de Karina Cáceres, que utiliza o vídeo e a viagem como uma forma de retratar o país, suas contradições, sua beleza e sua tradição. Dela serão apresentados “Cabo para a Terra” (2012) e “Sob a influência” (2016), ambos inéditos no Brasil.

Seguindo a ideia de viagem e de retrato do país, entra na Mostra o filme “O espaço entre as coisas” (2013), de Raúl del Busto que, assim como Karina Cáceres, faz uso da viagem e do cinema experimental para mostrar as diferenças das várias regiões e tradições do país andino. O filme também terá na CAIXA Cultural Fortaleza sua primeira exibição no Brasil.

A obra de Juan Daniel F. Molero está presente com dois longas-metragens. O cineasta é habitual do Festival de Rotterdam, com trabalhos provocadores onde emprega uma técnica que lembra o vídeo dos anos 90. Sua cinematografia explora o mundo cibernético e sua influência na juventude, na sexualidade e no caos de cada dia. “Ele trabalha o cinema empunhando a bandeira da liberdade criativa”, comenta o curador. Seus filmes na Mostra são “Reminiscências” (2010) e “Videofilia (e outras síndromes virais)” (2017), vencedor do Tiger Award no Festival de Rotterdam. Outro nome com duas produções é Héctor Gálvez, de quem a Mostra exibe “Paraíso” (2009), premiado no Festival de Veneza, e “NN” (2014), com o qual ganhou o prêmio de Melhor Direção no Festival de Cartagena de Índias.

Dos cineastas peruanos o público poderá conferir ainda outros longas-metragens que foram destaques em importantes festivais internacionais. “Outubro” (2010), de Diego e Daniel Vega, esteve no Festival de Cannes; “Rosa Chumbe” (2015), de Jonatan Relayze, Melhor Filme Nacional no Festival de Lima; e “A última tarde” (2014), de Joel Calero, onde o reencontro de um casal faz um paralelo entre a cidade de Lima no século XXI e o passado político da esquerda do país no século XX. O filme recebeu o prêmio do público no Festival de Lima e a melhor direção no Festival Ibero-americano de Guadalajara.  Fechando a lista dos peruanos estão os documentários musicais “Continuo Sendo (Kachkaniraqmi)” (2013), de Javier Corcuera, que não chega a ser estritamente um musical, mas um filme que fala de música e de músicos do Peru, e “Saicomanía” (2011), de Héctor Chávez, que conta a história da primeira banda de punk da história.

Dois estrangeiros

 A homenagem do 28º Cine Ceará ao cinema peruano agrega dois importantes cineastas que, embora estrangeiros, pontuaram sua cinematografia com filmes ambientado no Peru. De Leonor Caraballo, da Argentina, será exibido “Ícaros: uma visão”, codireção do uruguaio Matteo Norzi. O filme foi destaque no Festival de Tribeca de 2016.

 O outro cineasta estrangeiro é o italiano Gianfranco Annichini, que com o tempo tem se tornado um dos grandes nomes do cinema peruano. Seu filme na mostra é o documentário “A curiosa vida de Piter Eustaquio Rengifo Uculmana” (2014), um quebra-cabeça que conta a história dos amores, crimes e pecados de um homem, tendo nas suas iniciais o nome do próprio país. Dessa forma, Annichini fala dos segredos do país através da figura do personagem central do documentário.

PALESTRA

Além das exibições, faz parte da Mostra a palestra “O Cinema Regional Peruano”, que será proferida pelo jornalista, crítico e professor de cinema Emilio Bustamante. Formado em Ciências da Comunicação na Universidade de Lima, é Mestre em Literatura Peruana e Latino-americana na Universidade Nacional Maior de San Marco. É professor na Faculdade de Comunicação da Universidade de Lima e Faculdade de Ciências e Artes da Comunicação na Pontifícia Universidade Católica do Peru. Especializou-se em linguagem, narrativa e direção audiovisual.

A Mostra de Cinema Peruano marca o início do 28° Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema, que terá abertura oficial no dia 04 de agosto, no Cineteatro São Luiz, onde acontece até o dia 11, numa promoção da Universidade Federal do Ceará (UFC), através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Cineteatro São Luiz e do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura (Lei Estadual Nº 13.811), do Ministério da Cultura, via Secretaria do Audiovisual, da Agência Nacional do Cinema (Ancine), do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secultfor. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e Bucanero Filmes. Patrocínio: M. Dias Branco, Banco do Nordeste e Café Santa Clara. Agradecimento a Enel.

Programação

Terça-Feira, 31/07

17h – Coletiva de imprensa – Apresentação das Mostras do 28º Cine Ceará

19h – Videofilia (e outras síndromes virais). Juan Daniel F. Molero. 2017 (Tiger Award – Festival de Rotterdam). 112min. Classificação indicativa: 14 anos.

 Quarta-Feira, 01/08

15h – Saicomanía. Héctor Chávez. 2011. 70min. Classificação Indicativa: Livre

17h – A última tarde. Joel Calero. 2014. 90min. Classificação Indicativa: 14 anos.

19h – Ícaros: uma visão. Leonor Caraballo e Matteo Norzi. 2016 (Festival de Tribeca). 91min. Classificação indicativa: 14 anos.

Quinta-Feira, 02/08

15h – Sob a influência. Karina Cáceres. 2016. 60min. Classificação indicativa: Livre. Sessão para escolas

17h – Reminiscências. Juan Daniel F. Molero. 2010. 85min. Classificação indicativa: 14 anos.

19h – Continuo Sendo (Kachkaniraqmi). Javier Corcuera. 2013. 110min. Classificação indicativa: Livre.

Sexta-Feira, 03/08

15h – A curiosa vida de Piter Eustaquio Rengifo Uculmana. Gianfranco Annichini. 2014. 72min. Classificação Indicativa: 14 anos.

17h – Outubro. Diego e Daniel Vega. 2010 (Festival de Cannes). 90min. Classificação indicativa: 14 anos.

19h – NN. Héctor Gálvez. 2014 (Melhor Direção – Festival de Cartagena de Índias). 89min. Classificação Indicativa: 18 anos.

Sábado, 04/08

15h – Cabo para a Tierra. Karina Cáceres. 2012. 50min. Classificação indicativa: Livre. Sessão para escolas.

16h – PALESTRA – O Cinema Regional Peruano, de Emilio Bustamante (jornalista, crítico e professor de cinema).

17h – Climas. Enrica Pérez. 2014. 85min. Classificação indicativa: 14 anos.

19h – Paraíso. Héctor Gálvez. 2009 (Festival de Veneza). 87min. Classificação indicativa: 14 anos.

Domingo, 05/08

15h – Rosa Chumbe. Jonatan Relayze. 2015. 85min. Classificação Indicativa: 14 anos.

17h – O espaço entre as coisas. Raúl del Busto 2013. 95min. Classificação indicativa: 14 anos.

19h – Madeinusa. Claudia Llosa. 2005 (Melhor Filme – Festival de Mar del Plata, entre outros). 100min.  Classificação indicativa: 14 anos.

 

Serviço:

Cinema: Mostra de Cinema Peruano

Local: CAIXA Cultural Fortaleza

Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema
Data: 31 de julho a 05 de agosto de 2018

Horários: ver programação

Classificação indicativa: ver indicação de cada filme

Ingressos: Gratuitos (distribuídos com 1h de antecedência, sujeitos à lotação do teatro)

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais

Acesse o site www.caixacultural.gov.br

Siga a fanpage: facebook.com/CaixaCulturalFortaleza

Baixe o aplicativo “Caixa Cultural”

28° CINE CEARÁ REALIZA MOSTRA OS TRAPALHÕES
69070289-8e79-4b55-b13e-bcdb649315c3

 

A abertura oficial é no dia 04 de agosto, mas o 28º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema já deu início à programação com a Mostra Os Trapalhões, que realiza no Cineteatro São Luiz, em parceria com a Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult). Com acesso gratuito, a mostra começou no dia 04 de julho e se estende até o dia 27, com exibições de filmes que marcaram a trajetória do quarteto Didi, Dedé, Mussum e Zacarias, responsável por algumas das maiores bilheterias da história do cinema brasileiro.

O sobralense Renato Aragão, que se consagrou nacionalmente como o personagem Didi, será homenageado pelo Cine Ceará e a Secult na solenidade de abertura oficial do Festival, no palco do São Luiz, que nas décadas de 1970 a 1990 atraiu gerações de cearenses, lotando a plateia para assistir aos filmes da trupe.

Com a curadoria do jornalista Rodrigo Fonseca, autor da biografia “Renato Aragão – Do Ceará para o coração do Brasil”, e de Duarte Dias, curador e programador do Cineteatro São Luiz, a Mostra Os Trapalhões exibe 20 longas-metragens, entre títulos mais consagrados pelo público de várias gerações e outros que marcam a própria trajetória fílmica d’Os Trapalhões.

“Dessa forma, abrimos a mostra com o documentário ‘O Mundo Mágico dos Trapalhões’, de Silvio Tendler, que situa o grupo, de forma inequívoca, no panteão dos grandes mitos do cinema nacional. Na sequência contemplamos o primeiro filme a fazer uso do termo ‘Trapalhão’, no caso, ‘Adorável Trapalhão’, obra de 1967 que destaca o gênio criativo de Renato Aragão”, explica Duarte Dias. “Em seguida elencamos uma série de títulos consagrados por Didi, Dedé, Mussum e Zacarias, fechando a mostra com uma sessão dupla que engloba o clássico ‘Os Saltimbancos Trapalhões’ e a mais recente produção de Renato Aragão ao lado de Dedé Santana, ‘Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood’, o que configura, no nosso entendimento, uma bela oportunidade para que o público em geral possa apreciar, na tela do São Luiz, um dos ciclos mais bem sucedidos no campo da criação e da produção cinematográfica brasileira, resgatando, dessa maneira, parte da memória afetiva, histórica e cultural do nosso povo”, completa.

 

Os filmes da Mostra Os Trapalhões

Adorável Trapalhão” (1967), Bonga, O Vagabundo” (1971), “Ali Babá e os 40 Ladrões” (1972), “Simbad, O marujo Trapalhão” (1976), “O Trapalhão nas Minas do Rei Salomão” (1977), “O Cinderelo Trapalhão” (1979),  “Os Três Mosqueteiros Trapalhões” (1980), “O Mundo Mágico dos Trapalhões” (1981), “O Incrível Monstro Trapalhão” (1981), “Os Saltimbancos Trapalhões (1981), “Os Vagabundos Trapalhões” (1982), “Os Trapalhões na Serra Pelada” (1982), “O Cangaceiro Trapalhão” (1983), “Os Trapalhões e o Mágico de Oroz” (1984), “Os Fantasmas Trapalhões” (1987),  “O Casamento dos Trapalhões” (1988), “Os Heróis Trapalhões – Uma Aventura na Selva” (1988), “Os Trapalhões na Terra dos Monstros” (1989), “O Mistério de Robin Hood” (1990) e “Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood” (2017).

 

O 28º Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará (UFC), através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, do Ministério da Cultura, via Secretaria do Audiovisual, e Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secultfor. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e Bucanero Filmes. Patrocínio: M. Dias Branco, Banco do Nordeste e Café Santa Clara.

 

SERVIÇO

28° Cine CearáFestival Ibero-americano de Cinema – Mostra Os Trapalhões – Até 27 de julho no Cineteatro São Luiz, em Fortaleza. Informações: www.cineceara.com. E-mail: contatos@cineceara.com. Tel: (85) 3055-3465. Grátis.

CAEO inscreve para cursos de cinema, fotografia e cinema de animação
048a2ef0-1516-4796-8ac0-5f183f20b27f
A Casa Amarela Eusélio Oliveira (CAEO), equipamento cultural da Universidade Federal do Ceará, está com inscrições abertas para os cursos básicos de Cinema, Fotografia e Cinema de Animação. As aulas serão realizadas no segundo semestre de 2018. As matrículas seguem até o preenchimento das vagas.
Os interessados devem comparecer à secretaria da CAEO, das 8h às 20h, portando originais e cópias do RG, CPF, além de uma fotografia 3×4. A idade mínima para os cursos de Fotografia e Cinema é 16 anos, já para o curso de Animação, é 12 anos.
Os programas abordam aspectos teóricos e técnicos do processo fotográfico e de realização audiovisual. Serão ofertadas três turmas de 32 vagas para Fotografia (manhã, tarde e noite); uma turma de 40 vagas para Cinema; e uma turma de 20 vagas para Cinema de Animação.
As aulas do curso básico de Cinema começarão no dia 10 de setembro e serão ministradas de segunda a quinta-feira, das 19h às 21h, totalizando uma carga de 90 horas-aula (aproximadamente 15 semanas).
O curso básico de Fotografia terá aulas iniciadas no dia 3 de setembro (noite) e 4 de setembro (manhã e tarde). A duração do curso é 60 horas-aula, aproximadamente nove semanas, e os horários da turmas são os seguintes:
manhã: terça, quarta e quinta-feira, das 10h às 12h;
tarde: terça, quarta e quinta-feira, das 14h às 16h;
noite: segunda, quarta e quinta-feira, das 19h às 21h.
As aulas do curso básico de Cinema de Animação terão início no dia 1º de outubro, ocorrendo de segunda a quarta-feira, das 14h às 16h, com 60 horas-aula (aproximadamente 9 semanas).
Serviço:

– Curso Básico de Cinema

Inscrições: a partir de 09 de julho (até preencher a turma);

2ª a 5ª, das 19h às 21h – 90h/aula (aprox. 15 semanas);

Início das aulas: 10/09 – Taxa única: R$ 500,00.

 

– Curso Básico de Fotografia

Inscrições: a partir de 09 de julho (até preencher a turma);

manhã: 3ª, 4ª e 5ª, das 10h às 12h – 60h/aula (aprox. 9 semanas);

tarde: 3ª, 4ª e 5ª, das 14h às 16h – 60h/aula (aprox. 9 semanas);

noite: 2ª, 4ª e 5ª, das 19h às 21h – 60h/aula (aprox. 9 semanas);

Início das aulas: 03/09 (noite) e 04/09 (manhã e tarde) – Taxa única: R$400,00.

 

– Curso Básico de Cinema de Animação

Inscrições: a partir de 09 de julho (até preencher a turma);

2ª a 4ª, das 14h às 16h – 60h/aula (aprox. 9 semanas);

Início das aulas: 01/10 – Taxa única: R$ 400,00

28° CINE CEARÁ DIVULGA SELECIONADOS PARA COMPETITIVA BRASILEIRA DE CURTAS E MOSTRA OLHAR DO CEARÁ
5ebb93b1-4e9a-4659-ae6b-60682ffa57a4

A canção de Alice, de Bárbara Cariry, é um dos dois cearenses na Competitiva Brasileira de Curta-Metragem

 

O 28° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema selecionou 13 produções para a Mostra Competitiva Brasileira de Curta-Metragem e 24 curtas para a Mostra Olhar do Ceará, que serão exibidos durante o festival, a ser realizado em Fortaleza de 04 a 11 de agosto.

 

COMPETITIVA BRASILEIRA DE CURTA-METRAGEM

Para a Competitiva Brasileira foram selecionados curtas-metragens de seis estados, dos quais quatro do Rio de Janeiro, três de São Paulo, dois do Ceará e de Pernambuco e um de Goiás e de Minas Gerais. O Drama vai marcar esta mostra, com o gênero presente em sete dos 13 concorrentes. É o caso dos dois cearenses: “A canção de Alice”, de Bárbara Cariry, e “Capitais”, de Kamilla Medeiros e Arthur Gadelha. Além de Drama, a mostra também contará com Animação, Fantasia, Aventura, Documentário e Suspense. Os selecionados disputam o troféu Mucuripe nas categorias Melhor Curta-metragem, Direção, Roteiro, Produção Cearense e Prêmio da Crítica. A curadoria foi composta pelo cineasta e professor Telmo Carvalho e a produtora Mariana Medina.

 

Os selecionados para a Competitiva Brasileira

Eu sou o Super-Homem. Dir. Rodrigo Batista. Aventura. 19 min. 2017. São Paulo

A Ponte. Dir. Rafael Câmara. Drama. 15 min. 2017. São Paulo.

Nomes que importam. Dir. Angela Donini e Muriel Alves. Documentário. 15 min. 2018. Rio de Janeiro.

O vestido de Myriam. Dir. Lucas H. Rossi. Drama. 15 min. 2017. Rio de Janeiro.

A menina banda. Dir. Breno César. Fantasia. 24:49 min. 2018. Pernambuco.

Plantae. Dir. Guilherme Gehr. Animação. 10 min. 2017. Rio de janeiro.

A escolha de Isaac. Dir. Sergio GAG. Drama. 24 min. 2018. São Paulo.

Maria Cachoeira. Dir. Pedro Carcereri. Suspense. 11 min. 2017. Minas Gerais.

A canção de Alice. Dir. Bárbara Cariry. Drama. 15 min. 2018. Ceará.

Capitais. Dir. Kamilla Medeiros e Arthur Gadelha. Drama. 11 min. 2018. Ceará.

O Evangelho segundo Tauba e Primal. Dir. Márcia Deretti. Animação. 11 min. 2018. Goiás.

Só por hoje. Dir. Sabrina Garcia. Drama. 19 min. 2017. Rio de Janeiro.

Nova Iorque. Dir. Leo Tabosa. Drama. 24 min. 2017. Pernambuco.

 

MOSTRA OLHAR DO CEARÁ

A 28ª edição do Cine Ceará bateu alguns recordes, um deles foi o número de curtas cearenses inscritos. Foram 116 produções, 19 a mais do que em 2017.  Desse total, dois foram selecionados para a Competitiva Brasileira de Curta-Metragem e pelo segundo ano consecutivo ficou a cargo da Associação Cearense de Críticos de Cinema (Aceccine) a seleção para a Mostra Olhar do Ceará, escolhendo 24 curtas dentre os mais de 100 inscritos. “Optamos por fazer um recorte de curtas cearenses, que convocam diferentes formas de pensar e fazer cinema”, revela a comissão de curadoria da Aceccine, composta por Beatriz Saldanha, Camila Vieira, Diego Benevides, Raphael PH Santos e Thiago César.

Os filmes da Mostra Olhar do Ceará serão distribuídos em quatro sessões com eixos temáticos: ‘Pertencer a um território’, ‘Compor um Retrato’, ‘Experimentar o artifício’ e ‘Reinventar as identidades’. “Os filmes selecionados constituem um conjunto de gestos criativos, que acabam por dimensionar um panorama do que percebemos no contato com os 116 curtas inscritos”, explica a comissão em texto enviado ao festival na entrega da lista de selecionados.

 

Os selecionados para a Mostra Olhar do Ceará

180 Graus. Dir. Tay Moreira. Documentário. 10 min. 2018. Ceará.

A gênese de cima: Uma história não escrita. Dir. Jhonatan Freitas. Documentário. 18:44 min 2017. Ceará.

A milésima segunda noite. Dir. Ariel Volkova e Taís Augusto. Ficção. 17 min. 2018. Ceará.

Andros. Dir. Anio Tales Carin. Ficção. 19 min. 2018. Ceará.

Boca de loba. Dir. Bárbara Cabeça. Ficção. 19 min. 2018. Ceará.

Cartuchos de Super Nintendo em Anéis de Saturno. Dir. Leon Reis. Ficção. 19 min. 2018. Ceará.

Curimba. Dir. Paolla Menchetti. Documentário. 19:46 min.  2018. Ceará.

Eroica. Dir. Josy Macedo. Ficção. 16 min. 2017. Ceará.

Escafandro. Dir. Carol Morais. Experimental. 13:42 min.  2017. Ceará.

Leide. Dir. João Marcos Maia. Documentário. 13 min. 2019. Ceará.

Maria Maculada. Dir. Bruno Bressam e Leão Neto. Documentário. 20 min. 2018. Ceará.

Não fique triste, menino. Dir. Clébson Oscar. Documentário. 8 min. 2018. Ceará.

Nego tem que se virar. Dir. Mike Dutra. Ficção. 23 min. 2017. Ceará.

Nenúfares. Dir. Beatriz Lizaviêta. Ficção. 21 min. 2018. Ceará.

O mergulho dos pássaros. Dir. Harley Almeida. Experimental. 13 min. 2018. Ceará.

Ponte velha. Dir. Victor de Melo. Documentário. 23 min. 2018. Ceará.

Presente. Dir. Rodrigo Pedroza. Experimental. 16.20 min.  2018. Ceará.

Quando o mar. Dir. Lua Alencar. Experimental. 10 min. 2018. Ceará.

Sessão especial. Dir. Gabriela Queiroz. Ficção. 20 min. 2017. Ceará.

Sudestino(s). Dir. Germano de Sousa. Documentário. 20 min. 2017. Ceará.

Tempo de tudo, tempo de nada. Dir. Ana de Sousa. Documentário. 15 min. 2018. Ceará.

Terra ausente. Dir. Robson Levy. Ficção. 14 min. 2018. Ceará.

Teto. Dir. Darwin Marinho. Experimental. 15 min. 2017. Ceará.

Virá dos Olhos Teus. Dir. Anderson Damasceno. Ficção. 22 min. 2018. Ceará.

 

Em breve o Cine Ceará divulgará a Mostra de Cinema Peruano, que será realizada de 31 de julho a 05 de agosto na CAIXA Cultural Fortaleza, as exibições especiais, homenagens, entre outras informações desta edição. O 28º Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará (UFC), através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, do Ministério da Cultura, via Secretaria do Audiovisual, e Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secultfor. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e Bucanero Filmes. Patrocínio: M. Dias Branco, Banco do Nordeste e Café Santa Clara.

 

SERVIÇO

28° Cine CearáFestival Ibero-americano de Cinema – De 4 a 11 de agosto de 2018 em Fortaleza. Informações: www.cineceara.com. E-mail: contatos@cineceara.com. Tel: (85) 3055-3465. Grátis.

DIVULGADA SELEÇÃO DE LONGAS PARA O 28° CINE CEARÁ
975e03f7-b8e7-4ed4-8313-dac7e003b68c

Coprodução Brasil, Portugal e França, “Diamantino“, vencedor do Grande Prêmio da Semana da Crítica no Festival de Cannes, é um dos destaques da edição

 

O 28° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema, que acontece de 4 a 10 de agosto em Fortaleza, acaba de divulgar a lista dos oito filmes selecionados para a Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem, escolhidos dentre quase 300 inscritos. Para a nova edição participam produções do Brasil, da Espanha, do Chile, da Colômbia e uma coprodução Brasil, Portugal e França. A lista de selecionados para a Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem será divulgada em breve.

Dentre os escolhidos para a mostra de longas estão três brasileiros. A estreia nacional é a ficção “O Barco”, do cearense Petrus Cariry (“Clarisse ou Alguma Coisa Sobre Nós Dois”),  sobre uma mulher de uma comunidade de pescadores no Ceará que tem 26 filhos e terá o destino alterado pela chegada de um barco e de uma mulher misteriosa. “Eduardo Galeano Vagamundo”, de Felipe Nepomuceno, e “Anjos de Ipanema”, de Conceição Senna, fazem sua estreia mundial.  O primeiro fala sobre o escritor uruguaio falecido em 2015, e o documentário “Anjos de Ipanema” conta a história do Pier de Ipanema, ícone da contracultura e do surf no Rio de Janeiro dos anos 70.

O grande destaque da 28ª edição é a coprodução Brasil, Portugal e França “Diamantino“, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, vencedor do Grande Prêmio da Semana da Crítica no Festival de Cannes. O longa mostra um famoso jogador de futebol que ao ver sua carreira em declínio entra numa odisseia delirante em que confronta o neofascismo, se envolve com a crise de refugiados, modificação genética, até a busca pela origem da genialidade. O filme terá sua primeira exibição no Brasil durante o festival.

Também estão na disputa quatro longas que terão première nacional: o espanhol “Petra“, de Jaime Rosales, que teve sua estreia mundial na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes, e o chileno “Cabras de Merda“, de Gonzalo Justiniano. Além de dois colombianos, a ficção “Amália, a secretária”, de Andrés Burgos, e o documentário “Senhorita Maria, a saia da montanha”, de Rubén Mendoza, que faz um retrato caloroso de um homem que cresceu se sentindo mulher na conservadora cidade de Boavita, Boyacá. O longa foi premiado nos festivais de Cartagena (direção), Locarno (Prêmio Zonta Club Semana da Crítica) e Amiens (melhor documentário).

Na competitiva de longas serão agraciados com o troféu Mucuripe os vencedores nas categorias Melhor Filme, Direção, Fotografia, Edição, Roteiro, Som, Trilha Sonora Original, Direção de Arte, Ator e Atriz. Convidado do festival, o jornalista Rodrigo Fonseca assina a curadoria dos longas junto a Margarita Hernández, coordenadora geral do Cine Ceará, e Wolney Oliveira, diretor do festival.

Posteriormente o Cine Ceará divulgará o resultado dos selecionados para a Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem, para a Mostra Olhar do Ceará, os filmes que terão exibição especial e a programação completa do festival. O 28º Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará (UFC), através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, do Ministério da Cultura, via Secretaria do Audiovisual, e Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secultfor. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e Bucanero Filmes. Patrocínio: M. Dias Branco, Banco do Nordeste e Café Santa Clara.

 

Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem:

Amália, a secretária. Andrés Burgos. Ficção. 103 min. Colômbia.  2017 (Première Nacional)

Anjos de Ipanema. Conceição Senna. Documentário. 90 min. Brasil.  2018 (Première Mundial)

Cabras de merda. Gonzalo Justiniano. Ficção. 118 min. Chile. 2017 (Première Nacional)

Diamantino. Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt. Ficção. 92 min. BrasilPortugal, França. 2018 (Première Nacional)

Ganhador do Grande Prêmio da Semana da Crítica em Cannes

Eduardo Galeano Vagamundo. Felipe Nepomuceno. Documentário. 72 min. Brasil. 2018 (Première Mundial)

O Barco. Petrus Cariry. Ficção. 72 min. Brasil. 2018 (Première Nacional)

Petra. Jaime Rosales. Ficção. 107 min. Espanha. 2018 (Première Nacional)

Quinzena dos realizadores de Cannes

Senhorita Maria, a saia da montanha. Rubén Mendoza. Documentário. 90 min. Colômbia. 2017 (Première Nacional)

Melhor Direção Festival de Cartagena, Colômbia.

Prêmio Zonta Club Semana da Crítica de Locarno, Suíça.

Melhor Documentário Festival Internacional de Amiens, França.

 

SERVIÇO

28° Cine CearáFestival Ibero-americano de Cinema – De 4 a 10 de agosto de 2018 em Fortaleza. Informações: www.cineceara.com. E-mail: contatos@cineceara.com. Tel: (85) 3055-3465. Grátis.

 

Cine Ceará e COGERH lançam mostra “Cada Gota Conta” e abrem inscrições
69e573d4-b786-4533-9456-04ecca4bf3d2

 

Um celular nas mãos, criatividade e ação. Com estas “ferramentas” qualquer pessoa pode produzir um curta-metragem e ter a possibilidade de ver seu filme exibido em um dos maiores festivais de cinema do Brasil. Quem oferece a oportunidade é o 28º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema e a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos – COGERH, do Governo do Estado do Ceará, que abriram no dia 18 de junho as inscrições para a mostra “Cada Gota Conta”.

Em sua primeira edição, a mostra é totalmente voltada para filmes captados em aparelhos celulares. Há somente uma categoria que abrange todos os gêneros, podendo ser ficção, documentário, reportagem ou animação. A mostra é pública, aberta a realizadores cearense ou residentes no Ceará há mais de dois anos, que podem inscrever trabalhos individualmente ou em equipe.

Os curtas devem seguir o tema “Preservação dos recursos hídricos: cada gota conta” e ter de 1 a 3 minutos de duração, contando com os créditos. As obras devem ser inéditas, ou seja, não podem ter sido exibidas anteriormente em nenhuma plataforma e a classificação etária deve ser livre. O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no www.cineceara.com. A inscrição pode ser feita até o dia 18 de julho e é gratuita.

A curadoria da mostra selecionará cinco trabalhos, que serão exibidos do terceiro ao penúltimo dia do 28º Cine Ceará, que acontecerá de 04 a 11 de agosto. O melhor curta-metragem eleito pelo júri será reexibido na Cerimônia de Encerramento do festival e receberá um prêmio no valor de R$ 3 mil. A comissão julgadora será formada por estudantes de cursos de cinema de Fortaleza.

O Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará (UFC), através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, do Ministério da Cultura, via Secretaria do Audiovisual, e Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secultfor. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e Bucanero Filmes. Patrocínio: M. Dias Branco.

 

SERVIÇO

Mostra “Cada Gota Conta” – Inscrições abertas até o dia 18 de julho para a mostra de curtas-metragens produzidos por aparelho celular, que integra a programação do 28° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema. Podem participar realizadores cearense ou residentes no Ceará há mais de dois anos. Regulamento e ficha de inscrição disponíveis no www.cineceara.com. Informações: contatos@cineceara.com e (85)3055-3465.

Cine Ceará bate novo recorde de inscritos
166ac1f4-dc05-4cd7-9235-556b13a63bda

 

Pelo terceiro ano seguido o Cine CearáFestival Ibero-americano de Cinemabate recorde de inscritos para as duas mostras competitivas. São produções em longa e curta-metragem enviadas para a 28ª edição, que acontecerá de 04 a 10 de agosto no Cineteatro São Luiz, em Fortaleza.

Para a seleção de 2018, o Festival recebeu 1.222 filmes de 18 países, dos quais, 286 inscritos para a Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem e 936 para a Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem. Os números anteriores: Em 2017 foram 1.113 filmes de 17 países, sendo 260 longas e 853 curtas. Em 2016 o festival recebeu 966 inscrições de 16 países, dos quais, 254 longas e 712 curtas. O número de curtas cearenses inscritos também foi recorde. Foram 116 para a 28ª edição, 19 a mais do que os inscritos na edição do ano passado.

Além das mostras competitivas, o festival traz debates e mostras paralelas, promovendo divulgação de novos talentos na área audiovisual. O 28º Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará (UFC), através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, do Ministério da Cultura, via Secretaria do Audiovisual, e Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secultfor. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e Bucanero Filmes. Patrocínio: M. Dias Branco.

 

SERVIÇO

28° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema – Inscrições abertas até o dia 23 de maio para as mostras competitivas Ibero-americana de Longa-metragem e Brasileira de Curta-metragem desta edição, que acontecerá de 04 a 10 de agosto de 2018 em Fortaleza, Ceará. Informações: www.cineceara.com. E-mail: contatos@cineceara.com. Tel: (85)3055-3465.

 

ASSESSORIAS DE IMPRENSA:

CEARÁ:

DÉGAGÉ

Sônia Lage e Eugênia Nogueira

degage@degage.com.br / www.degage.com.br

Tel: (85)3252-5401 / 99989-5876 / 99989-3913

Instagram: @degage_imprensa / f: degageassessoria

NACIONAL

PRIMEIRO PLANO

Anna Luiza Muller

Julia Moura – julia@primeiroplanocom.com.br

21 2266-0524 / 2286-3699

t: @ Primeiro_Plano / Instagram: @Primeiroplanocom

f: Facebook.com/PrimeiroPlanoCom

www.primeiroplanocom.com.br